Eu não vi

06 fev 2018nandoalvez 31

Eu não vi você crescer
Não cantei pra você dormir
Eu não pude compreender, só senti
O amor brotando em mim, mas tive medo.

Eu nunca fui de dizer
Eu te amo, ou coisa assim
Meu coração acostumou a não ter
Alguém pra poder entregar, seus sentimentos.

Mas você, trouxe mais pra perto os sonhos
De um lugar onde só a luz
Oh você, que levou para longe a noite
Me faça escravo teu

Não me deixa acordar
Antes de estar curado
Desta dor que me pegou
E dia pós dia me machuca mais

Continue lendo

Cordel do dia a dia

04 fev 2018roberto 35


Cordel do dia a dia


Como se faz um cordel?
Junte palavras com mel
Ponha um pouco de verdade
E conquiste a cidade
Fale um pouco de maldade
Bem perto do coronel.

Fale bem ou fale mal
Do padre ou do prefeito
Deixe sempre seu sinal
E conquiste o respeito
De quem gosta de malfeito
Incendiando o arraial.

Gente sem urbanidade
A cidade está cheia
Há sempre um bom motivo
Pra não fazer cara feia
Sendo gentil e simpático
Conquista graça alheia.

De precisar de doutor
Todo mundo tem pavor
Tenha ele anel no dedo
Seja ele operador.
Com dinheiro ou com vida
Tudo é muito assustador.

Numa roda de amigos
Sempre tem um animado.
Boquirroto, fala muito.
Tem segredos revelados.
Causa risos escondidos,
Olhos brilhantes, malvados.

Lá em casa tem um cão
Peludo e avermelhado.
Já beirando quinze anos
Só late desafinado
Tá surdo, cego e sem dentes
Mas é amigo bem chegado.

Agora vou terminando
Esses versos mal juntados
Estava experimentando
Esse jeito ritmado
De falar do dia a dia
Como uma poesia.

Dou bom dia ou boa noite
E até breve talvez.
Se aparecer novidade
Começo tudo outra vez
Passando mel nas palavras
Todas em bom português.





Continue lendo

Oração dos Bichos

04 fev 2018roberto 28



Oração dos Bichos


Ó senhor que não vejo
Mas que arde em mim.
Sabedor de meus limites,
Demando urgente serafins.

Nestas terras esquecidas,
Um mais poderoso insiste
Com suas falas arruinadas,
Por tiros, facas e tolices.

Dignos em nossas vidas,
Seguimos as regras do jogo.
Matamos limpo e o necessário,
Eventualmente por defesa ou gozo.

Rogo ao senhor que pressinto,
Dê a todos justo quinhão.
Mas a corrente se partindo,
Milhares perecerão.

Pois entre aqueles se espalha,
O gosto de destruição.
Um ódio compulsivo que mata,
Pra acalmar o coração.

Imploro, ó senhor que desejo
Sua existência a nos salvar.
Há uma espécie louca e solta,
Que nos constrange muito além de matar.







Continue lendo

Doze de junho

04 fev 2018roberto 23




Doze de Junho


Dozedejunho, assim, apertadinho.
Ideal para o vinho e amor.
Dia do começo; e tudo é bom!
Degusta-se o corpo e o caráter.

A perfeição, pintada na retina,
luz embaçada sobre palco.
O ator escolhido encena
todas as cenas sonhadas.

O amor é um presente da vida.
Acreditamos nós, racionais,
determinados em perder a razão.
Sabendo do arrepender depois.

No desafio de dozedejunho,
cheio de grifes globais
e sonhos de alto preço,
o amor fica por último.

Namorar é montar quebra-cabeça.
Tentam-se posições, ajeita-se.
Sem encaixe? Sem problema!
Esqueça e troque a peça!

Encaixada, mesmo se pouca folga,
ficam as possibilidades.
Muitos futuros; juntos?
Sempre felizes! Sempre?

Sim, dozedejunho não tolera dúvidas.
Mas aceita cartão de crédito!


Dozedejunho, assim, apertadinho.
Ideal para o vinho e amor.
Dia do começo; e tudo é bom!
Degusta-se o corpo e o caráter.

A perfeição, pintada na retina,
luz embaçada sobre palco.
O ator escolhido encena
todas as cenas sonhadas.

O amor é um presente da vida.
Acreditamos nós, racionais,
determinados em perder a razão.
Sabendo do arrepender depois.

No desafio de dozedejunho,
cheio de grifes globais
e sonhos de alto preço,
o amor fica por último.

Namorar é montar quebra-cabeça.
Tentam-se posições, ajeita-se.
Sem encaixe? Sem problema!
Esqueça e troque a peça!

Encaixada, mesmo se pouca folga,
ficam as possibilidades.
Muitos futuros; juntos?
Sempre felizes! Sempre?

Sim, dozedejunho não tolera dúvidas.
Mas aceita cartão de crédito!












Continue lendo

Resende Costa

04 fev 2018roberto 22


Resende Costa


Não sou O poeta mas berço tive.
Não era de ferro mas duro igual, de pedra.
Em Resende Costa nasci e
vivi o suficiente para marcar
o que ainda hoje meu coração sente.


Enxergo longe sem maldades,
impregnado pela limpidez do horizonte
cheio de morros verdes e pedras,
desvendados de cima.

Seu horizonte, metade do mundo.
Noventa por cento pedra
O restante coração.
Ambição contida, sólida.

De lá, nota distante, trago memórias:
um sino lamentoso mesmo em festas,
uma senhora greco-gordona mística,
um cheiro de mofo em festa, perfume de pizza.

Os santos pecadores esculpidos
aguardam dos humanos o perdão;
vasculham seus vazios em êxtase
envergonhados por despropósito vão.

As ruas mal calçadas,
de iluminação medrosa.
Suas casas pobres e tristes,
retas e econômicas.

Resende Costa, luz distante,
no álbum de meu big bang
amigos e família agora estranhos.
Não tenho parede com fotos.

Em minha memória orgânica,
não sendo um dia corrompida,
saberei do bom lugar que não existe,
Resende Costa, de onde vim.

Uma grande pedra, longe de ser dilema,
o começo de meu caminho.




Continue lendo

Chamas

04 fev 2018roberto 18



Chamas


A labareda sai da grande chaminé
Onde homens derretem montanhas.
Frio e pó são o que restam
Na empresa orgulhosa.

Como um sol mutante,
Nasce em horizonte próximo,
Faz dos dias cinzas
E,do futuro, fantasmagórico.

Para deuses e homens honrados,
Como amostra,
Do desejo incontornável de queimar,
Sugar e refundar o mundo.

Infernos guiados e vorazes
Executam rancores sem apelo,
Deformam e consomem o derredor;
Um planeta inteiro.

Um mundo fragmentado e faminto
Das carnes, dos sonhos, do dia a dia
Dos bichos, dos verdes e dos homens comuns,
Tomados como alimento.

Haverá saída deste presente armado?

Continue lendo

Reminiscências

04 fev 2018roberto 18

Reminiscências


Para que tantos olhares
se tudo é aparência ou ilusão.
Para que tantos corações
se é única a solidão.

Sou apenas um copista
transtornado.
Sabendo ser eu tão fraco
por que, meu pai, fizeste em mim
tua realização de fracasso?

Deus é bom, dizem os resignados.
Seu amor quente é vulcão
derramado, devora e congela
sentimentos puros da infância.

Nesse imenso mundo que acredito existir,
poucos são os que confio humanos.
O resto, a grande imensa parte
confesso, existe por eu ouvir dizer.

Num dia esquecido e distante
uma noite aconteceu mais cedo.
A ociosidade gerou um terço
e eu surgi no vazio restante.

Mais tarde, já deixando de ser criança
meu pai admirava seu pouco gado
que vigiava distante.
Um boi preto marcava suas fumaças brancas.

Eu, que ficava ao lado, era marcado
pela brasa de seu silêncio.

Continue lendo

para musicar ! livro livre

parei pra te ler voce estava jogado num canto totalmente esquecido poeira ja havia consumido algumas paginas sei como e dificil ser jogado de lado solidao total nem sequer um afago,um assopro pra espantar poeiras e traças mas agora vamos poetizar por ai fazendo muita bagunça. quem sabe mudaremos o pensar de muitos que vivem preso a um mundo digital.

Continue lendo