Soneto do Coração e da Saudade

Ah saudade, por que me tratas assim¿
Sigo meu caminho, faço meu porvir
Mas insistes todo tempo a me agredir
Nunca lhe dei motivos contra mim

Por vezes revolto, outras me calo
Sinto medo, receios, sinto dor
Para não brigar eu nunca te falo

Mas não aguentei hoje quis me expor
Perco o controle de mim e disparo
Confunde tudo, tristeza e amor


Coração não me julgues desse jeito
O bem que tento fazer não consigo
Talvez por ser solitário, e te digo
Quero sempre ajudar, não sou perfeito

Lembranças boas tento trazer
Mas o que vem é só ansiedade
Tento aumentar o desejo de se ver

Mas sempre enfraqueço a vontade
Nobre como você, quem dera ser
Sentimento pobre, eis me aqui, Saudade


Não se faça de coitada, oh Saudade
Você machuca, fere, é incansável
Tu não és pobre, tu és implacável
Desorienta os rumos, só maldade

Me perturbas e sempre me persegues
Luto para não sair do traçado
Como sombra, todo o tempo me segues

De você estou farto, tô cansado
Queria mesmo era estar entregue
Plenamente feliz e sendo amado


Entendas bem amigo Coração
Recordações, lembranças, sentir falta
Melhora tudo e também exalta
O “ser amado” com mais emoção

Até complementa a alegria
E também abre os olhos, não cega
A felicidade se contagia

Como uma flor a qual se rega
Alimentando-a todo dia
Assim torna plena a tal entrega

Mas você, tudo tão difícil torna
A lembrança dela se distancia
Um silêncio derruba a euforia
E aquela triste solidão se forma

Somente uma vez de perto a vi
Inesquecível acontecimento
Daria tudo por ter ela aqui

Poder reviver aquele momento
Aquele olhar ao qual me rendi
Encanta e me desmancha por dentro


Veja o lado bom de tudo isso
Tudo se torna tão valioso
Cada detalhe fica tão precioso
Um toque, um olhar, um sorriso

Momentos singelos, simplesmente
São muito mais bem aproveitados
Em lugares comuns ou diferentes

Sem fazer nada ou muito ocupados
O brilho nos olhos constantemente
Deixa o mundo em volta paralisado


Ela pra mim Saudade, é um sonho
Um bem lindo, tão precioso e raro
Por ela quero ser melhor, não paro
Me perco, acho, me recomponho

E só por uma questão de tempo
A distância não existirá mais
E de tu Saudade, nem mais me lembro

Vou amar de perto, viver os tais
Sonhos, planos, os momentos plenos
Revelar, demonstrar, me entregar demais


Que assim seja Coração, que seja assim
Não importunareis em mais nada
Seja feliz nessa tua jornada
Que realmente não lembres de mim

Apenas tenha memórias do mundo
Em que eu te machucava, sem querer,
E que valorize cada segundo

Cada momento, junto a teu benquerer
Viva este sentir, lindo e profundo
E que por mim nunca mais venha a sofrer

Lincoln Ribeiro (inspiração Carolina Batista)

Sobre o autor